Desordens da Órbita

Profª Drª Ana Maria Barros Soares
1. Enoftalmia
2. Exoftalmia
3. Estrabismo
4. Proptose

1. Enoftalmia
Definição:
• Na enoftalmia o bulbo do olho encontra-se retraído na órbita. Cabe ressaltar que o tamanho do bulbo do olho é normal.
Etiologia:
• Predisposição Racial / Conformação Racial – Como exemplo, observamos um exemplar da raça Dobermann Pinscher (Figura 1).
• Dor – A dor na região ocular induz a contração da musculatura palpebral entre outros reflexos, provocando a retração do bulbo do olho.
• Desidratação – A perda da hidratação adequada da gordura retro bulbar.
• Neurológico - O bloqueio do estímulo simpático por trauma ou inflamação (como exemplo otite media) pode ser observado no olho através de uma síndrome, a Síndrome de Horner onde observam-se sinais de enoftalmia, protrusão da terceira pálpebra, ptose palpebral e miose no olho afetado (Figura 2).
Diagnóstico:
• Microftalmia (bulbo do olho pequeno).
• Atrofia do bulbo do olho (Phthisis Bulbi).

  • Figura 1: Enoftalmia por predisposição racial em animal da raça Dobermann Pinscher.

  • Figura 2: Felino com Síndrome de Horner no olho direito.

2. Exoftalmia
Definição:
• Bulbo do olho encontra-se mais protruso na órbita, porém o tamanho é normal.
Etiologia:
• Predisposição Racial / Conformação Racial - Nos cães braquicéfalos como o Pug (Figura 3), Shih-Tzu e Bulldog e no gato Persa. Nessas raças a órbita é rasa e o olho fica mais exposto.
• Massa Orbitária/ Retrobulbar – Como neoplasias, abscessos, infecções micóticas e anormalidade na glande salivar zigomática.
• Inflamação – Miosite.
Diagnóstico:
• Diferencial com buftalmia (tamanho do bulbo aumentado).
Implicações:
• A córnea torna-se mais exposta, o que facilita a evaporação da lágrima. Nestes animais as lesões corneanas são mais graves. Em algumas raças observamos ceratite pigmentar que pode ser agravada pela exposição corneana.

  • Figura 3: Exoftalmia e estrabismo divergente em canino da raça Pug com 3 meses de idade.

3. Estrabismo
3.1 Esotropia
Definição:
• Estrabismo convergente.
Etiologia:
• Congênito – Alguns gatos da raça Siamês (Figura 4) possuem a projeção anormal das fibras da retina para o cérebro. Para compensar esta anormalidade desenvolvem o estrabismo convergente. Os proprietários devem ser alertados que esta alteração faz com que o animal tenha dificuldade de visão binocular e perda de noção de profundidade. Em alguns animais há a presença de nistagmo.

  • Figura 4: Felino da "Raça Siamês" portador de estrabismo convergente.

3.2 Exotropia
Definição:
• Estrabismo divergente.
Etiologia:
• Predisposição Racial – Pug (Figura 3); Pequinês; Boston Terrier; Chihuauhua.
• Trauma.
• Lesão neurológica.


4. Proptose
Definição:
• Protrusão do bulbo do olho (Figura 5).
Etiologia:
• Trauma é a causa mais comum. Cães e gatos possuem a parede orbitária incompleta o que facilita a protrusão do bulbo. Cães braquicéfalos, por possuírem a órbita rasa, podem ter proptose com mais facilidade.
Lesões:
• O músculo reto medial é o primeiro a ser lesado.
• Córnea – Fica ressecada e pode apresentar ulcerações.
• Estruturas Intra-Oculares – Pode ocorrer hemorragia; luxação ou sub-luxação da lente e descolamento de retina.
• Nervo Óptico – Avulsão ou lesão.
• Reflexos Pupilares – Observar se há o direto e o consensual.
Seqüelas:
• Estrabismo (Exotropia/ Esotropia).
• Ceratoconjuntivite Seca.
• Ceratite de Exposição.
• Catarata.
• Diminuição da Acuidade Visual.
• Atrofia do Bullbo.
• Lesão neurológica.

  • Figura 5: Proptose pós-traumática em canino da raça Lhasa Apso.